A imagem mostra o rosto de uma pessoa com melasma

Quais são os tipos de melasma?

O melasma é uma doença muito comum em diversas pessoas. Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), estima-se que essa doença atinge cerca de 35% das mulheres em nosso país. De uma forma geral, o melasma atinge mais as mulheres, mas homens também são acometidos por ele.

Essa doença é caracterizada pelo surgimento de manchas com diversas tonalidades no rosto, principalmente no nariz; bochechas; testa; queixo e lábios, ainda que menos comum, ele também pode atingir o pescoço; colo e os braços.

A imagem mostra o rosto de uma pessoa com melasma

A causa do melasma ainda não é completamente conhecida, mas estudos comprovaram que as células que produzem o pigmento da pele, os melanócitos, trabalham em excesso, causando hiperpigmentação.

Muitos desconhecem as diversas formas do melasma, ele não é único e possui três tipos diferentes. Hoje, você vai conhecer esses tipos de melasma, além de conferir como tratar essa doença e se de fato o melasma tem cura.

 

Saiba quais são os três tipos de melasma

Antes de você saber quais são os tipos de melasma existentes, é importante ressaltar que essa doença não causa dor, ardência ou coceira, as manchas possuem formato irregular e o aparecimento delas varia de acordo com a exposição aos fatores de risco.

Os fatores de risco que estão envolvidos no desenvolvimento do melasma, são: exposição solar; luzes irradiadas por computadores; celulares e tablets; predisposições genéticas; fototipo (cor da pele); medicamentos e cosméticos; deficiência de zinco, bem como alterações hormonais devido a gravidez e o uso de anticoncepcionais.

 

  • Melasma Epidérmico

Este tipo de melasma é o mais comum, e atinge a epiderme, que consiste na camada de proteção mais superficial da pele. A epiderme é a camada que é mais afetada por agentes externos como o sol, nela existe mais concentração dos melanócitos.

No melasma epidérmico, as manchas têm coloração mais voltadas para o castanho, devido a maior concentração da melanina nos melanócitos e queratinócitos da epiderme. Geralmente, o melasma epidérmico é causado pela exposição ao sol sem proteção, mas também pode ser resultado de modificações hormonais, mas ainda assim este melasma possui uma resposta mais rápida ao tratamento.

Em algumas pessoas, os hormônios possuem maior volume de melanócitos e melanossomas, é por esse motivo que as manifestações hormonais delas podem ter efeito direto na pele, o estresse elevado, uso de anticoncepcional, determinados medicamentos fototóxicos, uso de cosméticos ou funcionamento irregular da tireoide, podem acarretar o melasma.

 

  • Melasma Dérmico

A derme está localizada abaixo da epiderme, ela é constituída por uma densa rede de tecido conjuntivo e o pigmento da pele está dentro dos melanófagos (macrófagos soltos na derme que destroem a melanina) ao redor dos vasos sanguíneos superficiais e profundos.

No melasma dérmico, as manchas variam entre o castanho escuro e o azulado, devido à proximidade com os vasos sanguíneos e ao aumento da melanina nos macrófagos, que não conseguem eliminá-la por completo. O melasma dérmico possui respostas mais lentas ao tratamento, ele está associado a uma exposição mais elevada aos raios solares sem proteção, em um nível muito maior do que os que atingem a epiderme.

 

  • Melasma Misto

Esse tipo de melasma possui características dos dois tipos anteriores. Podendo ser caracterizado como uma mistura entre os dois. A coloração das manchas do melasma misto varia entre o marrom e o azulado.

 

Tratamento de melasma

Muitas pessoas têm dúvidas sobre se é realmente possível eliminar o melasma definitivamente, ou se o melasma tem cura. O melasma é uma doença crônica e pode reaparecer ao longo da vida, a cura para o melasma é relativamente rara. Mas devido a tecnologia, existem tratamentos com resultados extremamente positivos, que ajudam a reduzir as manchas, e em alguns casos elas podem até desaparecer, não deixando marcas na pele.

Além disso, para realizar o tratamento de melasma, é importante fazer acompanhamento com um dermatologista, pois este profissional conseguirá identificar qual tipo de melasma o indivíduo possui e receitar os tratamentos mais eficazes para ele. A seguir, você conhecerá alguns procedimentos comuns para o tratamento dessa doença, continue a leitura e confira.

 

1. Nutricosméticos: suplementos alimentares

O suplemento Oli Ola, é um ótimo aliado para o tratamento do melasma, ele é extraído do fruto da oliveira. Oli Ola melasma atua clareando a pele, além disso o Oli Ola resultados consegue proporcionar renovação celular, produção de elastina e colágeno para a pele, tratando o melasma.

Oli Ola resultados em quanto tempo surte efeito, é muito relativo. Muitas pessoas começam a notar os resultados a partir de duas a três semanas de tratamento.

 

2. Cremes para clarear as manchas

A utilização de creme para melasma é muito comum para tratar a doença. A hidroquinona é muito utilizada para reduzir as manchas. Ela possui um ativo clareador, e é indicada para o clareamento gradual de melasmas e deve ser usada em pequena quantidade (tamanho de um grão de ervilha) na face no período da noite. A pomada para melasma também possui excelentes resultados nos tratamentos.

Você pode encontrar tanto o suplemento Oli Ola, quanto a hidroquinona e diversos outros produtos para tratar melasma na Dermo Manipulações, uma empresa que está há anos no mercado, comercializando produtos de qualidade e eficazes para as pessoas. Não perca a oportunidade de eliminar melasma definitivamente.